Walt Disney World

Planejando uma viagem à Walt Disney World

O planejamento de uma viagem à Orlando – USA não é tarefa das mais fáceis! São muitos lugares bacanas para você visitar! E tenha certeza de uma coisa – não é possível conhecer tudo de uma só vez, ainda mais se você tiver poucos dias ou não dispor de um orçamento folgado.

E se você quiser realmente aproveitar os parques ao máximo, precisa fazer um bom planejamento – caso contrário corre o risco de ficar mais tempo que o necessário em filas, não encontrar os personagens que você gostaria, perder shows e desfiles fantásticos, não conseguir comer nos lugares mais legais, enfim, tem muita coisa a ser pensada e programada se você quiser aproveitar tudo o que os parques tem a oferecer, principalmente os parques da Disney. Resumindo: para ir a Disney é preciso estudar!!!

O Viagem em Família vai abordar em etapas, através de sua experiência em viagens a Walt Disney World, quesitos importantes que vão fornecer uma base para você montar o seu próprio roteiro. Hoje com a internet, ficou muito fácil e acessível, o que você precisa é ter tempo e paciência para pesquisar… e fazê-lo com pelo menos 8 meses de antecedência.

A primeira etapa a ser cumprida é o passaporte e visto válidos para a entrada nos USA. Se você não os tem, acesse o link – (http://www.dpf.gov.br/servicos/passaporte/passaporte). Se você tiver dúvidas, recomendo ligar gratuitamente para o número 194, ou mandar e-mail para a PF no endereço faleconosco@dpf.gov.br.

image

Com o passaporte pronto, você terá que solicitar um visto de turista americano, também conhecido como visto B2 (não imigrante) – ele te permite ficar nos USA por um tempo, mas não te autoriza a imigrar para o país: morar, trabalhar… O visto B2 deve ser emitido nos consulados ou na embaixada dos USA, que existem em algumas cidades do Brasil, e está dividido em algumas etapas principais: solicitação do visto, agendamento das entrevistas, comparecimento as entrevistas e por fim, receber o passaporte com o visto. Acesse o link para maiores informações: (https://ais.usvisa-info.com/pt-br/niv).

image

Com o seu passaporte e visto, em mãos, é hora de começar a segunda etapa, que para mim é a melhor parte da viagem – o Planejamento!!!

– Para planejar você precisa conhecer, e para conhecer é preciso pesquisar! A principal dica do Viagem em Família, é anotar todas as informações disponíveis sobre a cidade de Orlando e sua oferta de entretenimento, estabelecer suas preferências e prioridades… e fazer seu roteiro baseado nelas e no número de dias que terá disponível.

A segunda etapa do planejamento é concluída com a resposta à seguinte pergunta – “Quando ir?”

Estudar e definir o mês que você quer ir é um dos pontos, na minha opinião, mais importantes. A minha recomendação é fugir dos feriados americanos, da época do Spring Break, e das férias de verão americana. Nessa época a Disney fica insuportavelmente lotada e as atrações acumulam filas, com tempo de espera de 90 minutos ou mais…

Darei destaque à alguns pontos importantes que devem ser considerados quando você for escolher a melhor época para visitar a Disney. Então vamos lá…

No mês de Janeiro, até o dia 5, os parques ainda estão cheios de turistas do mundo inteiro, que escolheram a Disney como destino para o Réveillon. Se você quiser conhecer a Disney para apreciar a linda decoração e os shows incríveis de Natal, vá em Novembro ou na primeira semana de Dezembro – o movimento ainda é pequeno. Já fui a Disney nessa época e realmente foi muito tranquilo. Com o feriado de Martin Luther King, que acontece na terceira segunda-feira de janeiro, o movimento dos parques aumenta bastante.

image

Mickey’s Very Merry Christmas Party – Magic Kingdom

O President’s Day acontece na terceira segunda-feira do mês de Fevereiro e o parque fica com um grande movimento, normalmente por uma semana.

Outra época em que os parques lotam é no Spring Break – uma “mini férias” das escolas e  faculdades americanas, no início da primavera. Não existe uma data específica para acontecer o Spring Break – depende das escolas e das universidades. Normalmente acontece entre os meses de Março e Abril. Nessa época do ano, logo após o inverno, as pessoas aproveitam esse tempo livre e fogem para lugares mais quentes e de sol, como é o caso da Florida e do Caribe.

Em geral Maio é um mês ótimo, com lotação bem abaixo da média, um clima ótimo e ainda tem o Flower & Garden Festival – os parques ficam lindos! Já estivemos em Orlando nesse mês e posso dizer: – “É realmente um dos melhores meses para marcar uma viagem a Disney!”

image

Flower & Garden Festival – Epcot

–  Mas atenção para o Star Wars Weekend: a Disney tradicionalmente dedica alguns finais de semana ao sucesso do cinema – “Star Wars”. Espere um aumento no movimento dos parques por causa disso, principalmente no Hollywood Studios, mas nada que seja crítico.

image

Star Wars Weekend – Hollywood Studios

– E em Maio há também o Memorial Day: feriado nacional que acontece na última segunda-feira. Como em todo feriado, espere os parques com intenso movimento!

Mas sem dúvida nenhuma, os piores meses para uma viagem a Disney, principalmente se você estiver indo pela primeira vez, são os meses de junho, julho e agosto. Falo isso por causa das férias de verão nos países do Hemisfério Norte, em Julho no Brasil e em outros países também. Além do parque ficar muito lotado, o calor é insuportável. É a época do ano que você, provavelmente, não vai querer estar no meio de uma multidão. Se você tem filhos em idade escolar, dê preferência ao mês de Janeiro.

O mês preferido do Viagem em Família, é o mês de Setembro, pois todos que estavam de férias já deixaram a cidade e os parques ficam bem vazios. É provavelmente o mês mais vazio de todos e o melhor para se estar lá e é quando tem início o Food & Wine Festival, um festival de gastronomia que acontece no Epcot. São montados diversos quiosques ao longo da margem do lago, representando diferentes países ou regiões do mundo. Cada quiosque é um marketplace de um país específico e oferece algumas opções de pratos inspirados em seu país bem como bebidas típicas.

Os pratos são pequenos para que você possa degustar quitutes de diversas partes do mundo em uma mesma visita. São mais de 25 marketplaces de países como: Brasil, Austrália, Grécia, Argentina, Bélgica, Irlanda, Nova Zelândia, Polônia e muitos outros.

Dica: a Disney prepara a harmonização dos pratos sugerindo um ítem do cardápio com uma bebida. Os dois são marcados por um asterisco (*) no menu.

O evento é gratuito, basta possuir o ticket do parque, ir nos quiosques – marketplaces – e comprar os pratos/bebidas que quiser experimentar. Como o Epcot Food & Wine Festival dura 2 meses normalmente você não encontra grandes filas nos marketplaces. Claro que alguns marketplaces são mais disputados que outros e, nos fins de semana o evento apresenta filas maiores, mas nada que incomode.

Fique esperto: ao invés de ter que decorar as suas opções favoritas do festival, basta passar no Festival Welcome Center (centro de boas vindas) e pegar o Marketplace Discovery Passaport – passaporte do evento. O legal é que ele tem a lista de todas as opções do festival e você pode ir “carimbando” os países que for passando, para depois levar para casa de recordação. Além disso no Welcome Center você consegue a lista de atividades ligadas ao festival que estarão rolando no parque como: seminários, noite de autógrafos com  chefs renomados, e ainda fica sabendo quem vai tocar no show Eat to the Beat Concert que acontece todas as noites no pavilhão dos Estados Unidos às 17:30 h, 18:45 h e 20:00 h.

Em relação ao evento acontecem também:

– O Epcot Food & Wine Festival Late Nights Live! – Trata-se de uma festa que junta o amor à comida e o amor à música. Você poderá degustar 6 pratos e bebidas de marketplaces selecionados, enquanto se diverte com incríveis performances musicais, apresentações e DJ’s tocando ao vivo por $ 79,00 USD/pessoa. O evento normalmente acontece às quintas-feiras.

– E o Illuminations Sparkling Dessert Party, onde você paga $ 49 USD/pessoa, para comer sobremesas e assistir ao show de fogos “Illuminations” de um local privilegiado. O evento acontece às quartas, sextas e sábados.

image

Food & Wine Festival – Epcot

image

Food & Wine Festival – Epcot

Nesse mesmo mês tem também o início do Mickey’s Not so Scary Party, que é a  festa de Halloween da Disney, que acontece no Magic Kingdom. O parque a partir de uma determinada hora fecha para o grande público, em dias selecionados, e acontece uma grande e maravilhosa Festa de Halloween! A festa precisa ser paga à parte, mas é tudo de bom! Nós adoramos essa festa! Muita gente vai a Orlando nessa época para ir à festa de Halloween. Eu, sinceramente, recomendo muito as comemorações de Halloween na Disney, é muito legal! Sempre que podemos, vamos nessa data!

image

Mickey’s Not so Scary Party – Magic Kingdom

– Caso você não queira ir  à essa festa, então deve evitar o Magic Kingdom durante esses dias, pois o parque fechará mais cedo e não haverá o tradicional show de fogos.

Os parques, em outubro, começam a encher um pouco mais, mas a lotação ainda fica bem abaixo da média. Nesse mês ainda está acontecendo o Food & Wine Festival e o Mickey’s Not so Scary Party – (até dia 31 de outubro).

Por fim, o Viagem em Família acredita que os melhores meses (mais tranquilos em termos de lotação) para visitar a Disney são: maio, setembro, outubro, novembro até o dia 15 de dezembro, e janeiro – à partir, mais ou menos, do dia 12 de janeiro até o início da primeira semana de fevereiro, quando o movimento começa a aumentar!

Escolhido o mês, é hora de começar a terçeira etapa, a pesquisa das passagens aéreas. Se você puder voar na baixa temporada, tanto melhor, encontrará ótimos preços. Caso não possa, continue pesquisando e quando aparecer promoções, não duvide, compre! Acesse a página do Viagem em Família – Passagens Aéreas – (https://viagememfamilia.net/passagens-aereas/) e descubra como pesquisar e comprar passagens com bons preços!

Com as passagens compradas, é hora de partir para a quarta etapa – a escolha do hotel… Escolher um hotel em Orlando é uma das etapas mais fáceis do planejamento. A oferta de excelentes lugares é imensa e os preços não são de incomodar! Os requisitos básicos são segurança e um mínimo de conforto, caso contrário, a viagem pode se transformar em um pesadelo.

A indicação de um hotel em Orlando é uma resposta muito difícil de dar, pois um determinado hotel pode ser bom para mim, pode ser ótimo para uns e péssimo para outros. Tudo depende do que está se buscando: uns preferem preço, outros conforto, uns querem ficar mais próximos dos parques e outros dos outlets. Entende?

O Booking oferece uma enorme variedade de ótimos hotéis. Nós, particularmente, gostamos muito de ficar na região de Lake Buena Vista. Uma outra opção, a mais popular, é hospedar-se em algum hotel na International Drive – há várias opções de bons hotéis!

Uma outra alternativa, são os hotéis da Disney, são ótimos! O Viagem em Família já conferiu um desses hotéis e amou – Disney’s All Star Movies Resort – foram dias inesquecíveis para as crianças!

image

image

Os hotéis do Complexo Disney são divididos nas classes Econômico, Moderado e Luxo, sendo que alguns hotéis possuem opção de Villas (com cozinha, sala e mais quartos, ou seja, hospeda mais gente) e camping (na verdade, você só pode acampar no Fort Wilderness). Entre no site e confira – https://disneyworld.disney.go.com/resorts/

– Os hotéis da Disney, apesar de terem um custo maior, trazem uma série de benefícios que devem ser levados em consideração, na hora de você decidir onde se hospedar.

– Um deles é o transporte – os hotéis da Disney oferecem transporte, como cortesia, para os parques e para Downtown Disney.

image

Além disso, oferecem também o Disney Express, um ônibus gratuito que faz o traslado aeroporto-hotel e hotel-aeroporto. Mas, se você preferir alugar um carro, vale ressaltar que o hóspede da Disney não paga o  estacionamento dos parques – $ 17 USD/dia.

image

– O hóspede da Disney tem a opção de buscar todas as compras que fez no parque, na loja do hotel em que está hospedado. É com certeza uma comodidade não precisar ficar carregando sacos com compras o dia inteiro.

– Talvez o “Extra Magical Hours” seja um dos melhores benefícios de ficar dentro do complexo Disney. – ” O que é isso?” – você deve estar se perguntando! Todos os dias, os hóspedes da Disney podem usufruir de algumas horinhas a mais em alguns dos parques (antes do parque abrir ou depois do parque fechar para o grande público). As filas para as atrações populares são bem menores durante essas preciosas horinhas extras.

– O novo sistema de FastPass+ está disponível para todos, mas os hóspedes da Disney conseguem agendar os seus FastPass+ com mais antecedência do que os outros visitantes. Enquanto os hóspedes do complexo Disney podem fazer esse agendamento até 60 dias antes do dia que visitarão o parque, os demais visitantes só poderão fazer o mesmo com 30 dias de antecedência da visita. Em época de parques cheios e atrações concorridas, este benefício pode ajudar bastante em um bom planejamento para aproveitar os parques. (Estará disponível um post somente com informações sobre o FastPass+).

– A MagicBand Disney é uma das grandes inovações da Walt Disney World nos últimos anos. Em 2013 a Disney começou a implementar essa opção para hóspedes de alguns hotéis da Disney, depois passou a alcançar todos os hóspedes do Complexo e agora está disponível também para os não hóspedes!

Afinal o que é a MagicBand? É uma pulseira, totalmente a prova d’água, que contém um chip onde são armazenadas suas informações colocadas no My Disney Experience. No momento ela armazena cinco funções: chave do quarto, ingresso para entrada nos parques, reservas para o FastPass+, vincular as fotos tiradas no Disney PhotoPass+ à sua conta, pagamento de compras e refeições, guardar e usar os créditos do Dining Plan.

image

Qualquer pessoa pode comprar uma MagicBand, que custa $ 12.95 USD + taxas (os modelos básicos), e elas estão a venda nas lojinhas dos parques – vários modelos, cores e acessórios.

Se você vai hospedar-se em um dos resorts da Disney ou comprar um passe anual, então ganhará automaticamente uma MagicBand. Se você comprar apenas ingressos para os parques, elas não incluem a MagicBand. Você vai receber um cartão que permitirá fazer algumas das funções citadas acima, mas você pode comprar a MagicBand e transferir as informações do cartão para ela e usar, é muito mais prático e as crianças amam a novidade!

* A dica aqui é: se você quiser ter a sua MagicBand desde o primeiro dia e for para Orlando com o voucher, você pode ir até o Downtown Disney – Guest Relations – e trocar o voucher pelo ingresso físico (cartão). Depois disso, vá até a Pin Traders que fica em frente ao Guest Relations e compre a sua MagicBand. É importante que todas as pessoas da sua família estejam nesse momento, pois a Disney só vai vender a pulseira para o dono de cada ingresso, para evitar roubo ou fraude.

Como ativar a MagicBand? Siga os passos descritos abaixo:

1. A primeira coisa que você precisa é criar uma conta no website My Disney Experience.

2. Se você já tem uma conta, é só clicar em Entrar. Senão, crie uma Nova Conta. A página está em Português e você pode seguir o passo a passo das telas para criar a conta.

3. Você precisa vincular sua reserva do resort e/ou ingressos na sua conta do My Disney Experience.

4. Se você só tem os ingressos, vai precisar chegar lá e comprar uma MagicBand e adicioná-la ao My Disney Experience. Você pode ir no Guest Service nos parques para pedir ajuda para conectá-la ao seu ingresso.

5. Se você for ficar nos hotéis da Disney, depois que a reserva for vinculada, clique no link MagicBand e Cartões no My Disney Experience para fazer o pedido da sua MagicBand. Nesse momento você pode escolher qual a cor da MagicBand para cada membro da sua família e pedir para personalizar.

Importante – A personalização deve ser feita no mínimo 28 dias antes da viagem para que a Disney consiga imprimir os nomes de acordo com sua escolha.

Além de definir a cor e o nome na MagicBand, os hóspedes e não-hóspedes da Disney poderão enfeitar a sua pulseira com dezenas de acessórios que são vendidos nas lojas dos parques e hotéis. Haja criatividade!!!

Assim que entrar na página de “MagicBands and Cards” o site irá pedir para você digitar o endereço de entrega das MagicBands. Como as entregas só estão disponíveis para endereços dentro dos EUA, você pode digitar o seu endereço do Brasil normalmente, que as pulseiras vão ficar te esperando na recepção do hotel, para o momento do check in.

Assim que chegar no hotel e receber sua MagicBand, você poderá deixar o seu cartão de crédito vinculado e precisará escolher uma senha de 4 digítos que será usada quando você for fazer compras em lojas ou restaurantes no hotel, parques e em Downtown Disney. Os gastos vão automaticamente para o seu cartão. No final da sua estadia você receberá um extrato com todas as compras feitas usando a MagicBand.

Quando usar como chave do quarto, basta encostar a parte do Mickey da MagicBand no Mickey da fechadura da porta e esperar pela luz verde. Como ingresso para os  parques, você precisa tocar a pulseira no Mickey Totem, que vai começar a girar uma luz branca. Você então coloca o dedo indicador ou dedo que usou pra configurar a pulseira e a luz ficará verde. “É preciso estar com os ingressos configurados na pulseira ou essa luz vai ficar azul.”

Depois de agendado o FastPass+, basta ir à atração escolhida no intervalo marcado e tocar a pulseira no Mickey Totem até aparecer a luz verde. Liberado!

Não é preciso mais sair com cartões de PhotoPass+ e correr o risco de perder, com a MagicBand você toca a pulseira no leitor do fotógrafo e as suas fotos vão direto para o seu site no My Disney Experience. Você pode colocar bordas e fazer mudanças e então escolher se vai imprimir ou fazer o download das fotos. Muito fácil e prático!

Nota: Memory Maker é o novo pacote de fotos da Disney e também funciona com a MagicBand. Ao comprá-lo pela internet, você faz o link com a sua conta do My Disney Experience e automaticamente o pacote “entra” na sua pulseira. Usando-a com os fotógrafos do Disney Photopass espalhados pelos parques, restaurantes e atrações que tiram foto (como algumas montanhas russas), você vai poder acessar tudo pelo site ou pelo App. Vale lembrar que o Memory Maker só funciona com a MagicBand, quando os dois estão vinculados a mesma conta do My Disney Experience.

Para pagar as compras e refeições, além de ter que tocar a pulseira, você precisa lembrar e digitar a sua senha de 4 dígitos. É possível fazer pagamento com a MagicBand no hotel, restaurantes da Disney, lojas e quiosques dos parques, além de lojas e restaurantes em Downtown Disney. E se você contratou o serviço de Dining Plan da Disney, os seus créditos ficarão na sua MagicBand e você pode usá-los para pagar pelas refeições. 

Para aqueles que estão fora dos Hotéis da Disney e não querem desembolsar $ 13,80 USD na compra da pulseira ou para aqueles que estão nos hotéis do complexo mas não querem usar a MagicBand, a Disney sempre disponibiliza sem nenhum custo os cartões magnéticos verdes. Assim como a MagicBand, o cartão pode ser usado como ingresso e Fastpass+. A única diferença é que ele não permite as funções ligadas aos hotéis e as inovações que podem surgir no futuro – capacidade só comportada pela MagicBand.

Os hotéis dos parques da Universal também são muito legais: Universal’s Cabana Bay Beach Resort, Loews Royal Pacific (possui quartos temáticos dos Minions), Hard Rock Hotel e o Loews Portofino Bay Hotel.

Com todas essas informações você já adquiriu uma boa base para escolher o hotel que se encaixará no perfil da sua família ou do seu grupo.

Passagem comprada, hotel reservado, é hora da quinta etapa – alugar o carro! A melhor maneira de se locomover em Orlando é alugando um carro, você ganha mobilidade! A cidade não é para pedestres, já que todos os lugares são muito distantes entre si.

Existem diversas locadoras: Alamo, Hertz, Budget, National, Avis, Dollar… Quase todas possuem loja no aeroporto, o que significa que você vai poder sair de lá dirigindo.

E se você não pode, ou não quer dirigir, a melhor opção é hospedar-se dentro da Disney e aproveitar o máximo do transporte interno do complexo. Mas quando quiser visitar outros parques ou ir às compras, você pode contratar um serviço de transfer, normalmente custa cerca de $ 80 USD. Pesquisei indicações, de outros viajantes, e todas apontaram para o Alfredo da Van 4 Fun –  (http://m.van4fun.com).

Dicas – Vale você pesquisar várias locadoras, nós usamos muito o site da Rental Cars, e nunca tivemos problemas, sempre alugamos o carro com melhores preços – http://www.rentalcars.com

Uma questão, que normalmente gera muitas dúvidas é em relação ao seguro do carro. O seguro básico, chamado de LDW (Loss Damage Waiver) cobre financeiramente roubos e danos causados ao carro por colisão ou vandalismo. Esse é o seguro mais barato, que as locadoras virtuais oferecem, e também são os incluídos em diversos cartões de crédito internacionais.

O único problema é que os seguros LDW não cobrem danos a terceiros, então para se proteger de forma mais completa, caso se envolva em algum acidente com outras pessoas ou veículos, você tem que contratar o seguro LDW ou o ALI (Additional Liability Insurance). O grande problema do ALI é ser muito caro! Na minha experiência de viagens à Orlando – no total 8 – o LDW é um seguro suficiente! E verdade seja dita, para bater o carro em Orlando você tem que se esforçar muito – não é comum! As estradas e avenidas são ótimas, há uma sinalização excelente, limites de velocidade adequados…

* As crianças devem usar os assentos ou cadeirinhas da mesma forma que usam no Brasil, ou pelo menos, que deveriam estar usando! Eu particularmente levo os próprios assentos dos meus filhos, despacho e pronto! Fácil assim!

* Não esqueça de alugar o GPS, é fundamental, principalmente para os que estão indo pela primeira vez!

* E quem estiver indo de Miami para Orlando é aconselhável alugar o Sun Pass, que é o programa de pedágios pré-pagos. A estrada é cheia de pedágios e você poderá passar – sem fila – pela faixa dirigida ao Sun Pass.

sun-pass-pedágio-florida-como-usar

O melhor custo-benefício é pegar o carro com o tanque cheio e devolvê-lo da mesma forma. O preço nos postos de gasolina é menor  do que as locadoras cobram. Eles vão dizer que não, mas você esperto, não vai cair nessa!

Se você levar uma multa por radar ou estacionamento, a locadora vai pagar e depois vai cobrar no seu cartão de crédito, que ela guardou no momento em que você alugou o carro. Se um policial te parar por velocidade acima do permitido, terá que pagar a multa na hora. Então tome muito cuidado! E lembre-se que nos Estados Unidos você também pode ser multado por trafegar abaixo da velocidade mínima, principalmente na I4, a rodovia interestadual, que corta Orlando ao meio e que sem dúvida nenhuma, você vai passar muito.

* Você pode dirigir nos USA com sua CNH, não há nenhum problema!

Os sites das locadoras mostram vários modelos de carros, mas na realidade eles estão tratando de tipos de veículos, ou seja, você não está alugando um Ford Focus, e sim esse modelo ou algum outro similar, que pertence a categoria de carros compactos. O mesmo acontece quando você aluga uma Grand Caravan, na realidade você está alugando um carro da categoria SUV. Porém, se não tiver nenhum carro da categoria que você alugou, automaticamente eles darão à você, um carro de uma categoria superior, sem custo adicional.

Obs. Tenha preparado um cartão de crédito com uso internacional liberado e um limite flexível, pois as locadoras usam como uma espécie de “cheque caução”. No dia do check out,  eles devolvem o crédito, sem maiores problemas. Sem isso, “você não consegue alugar um carro”.

Depois do aluguel do carro, é chegada a hora de contratar o seguro viagem – a sexta etapa no “Planejamento WDW”. Contrate um seguro ou assistência viagem confiável aqui no Brasil – os preços são melhores!

Pesquisar é a palavra de ordem! E, no que diz respeito, a contratação do seguro viagem ou assistência viagem não é diferente! Existe uma diferença básica entre suas atuações. No Seguro Viagem, o viajante deve arcar com todas as despesas médicas necessárias, em caso de imprevistos durante sua viagem, e somente será reembolsado pela seguradora quando regressar ao seu país de origem. Por exemplo, em caso de acidente, com o Seguro Viagem é possível ir a qualquer hospital e depois pedir o ressarcimento.

No caso da Assistência Viagem o processo acontece de maneira diferente: sempre que houver alguma situação de emergência durante a viagem, o passageiro contará com um pacote de serviços e benefícios garantidos pelo seu Plano sem ter que colocar a mão no bolso. No caso da Assistência Viagem, é preciso ligar para a central de atendimento para consultar a rede de hospitais conveniados.

* “Cartão de Assistência Viagem” ou “Assistência Viagem” ou “Assistência ao Viajante” é a evolução do conceito de “Seguro Viagem”. As poucas e seletas empresas que prestam Assistência Viagem no mundo são conhecidas e denominadas empresas do segmento de “Travel Care”.

– Os ítens que você deve observar: preço, cobertura do plano, forma de atendimento e se possível, a opinião de quem já usou.

Dicas para pesquisa: Assist Card, Porto Seguro, BUPA, Mondial e consulte também o seu próprio cartão de crédito.

Atenção! Você provavelmente receberá um número de apólice com um telefone gratuito (1800 nos Estados Unidos). No caso de uma emergência contate o seguro e siga as instruções. Algumas empresas mandam médico no hotel, outras te dirigem para o hospital mais próximo. Se for o caso de ir a um hospital, chegando lá, dê o número do seguro antes de começar o atendimento. Para o médico que vai no hotel é mais tranquilo pois o próprio seguro saúde entra em contato com ele. Fique tranquilo, os atendimentos por lá são excelentes!!!

Lembre-se: É muito importante estar sempre com o número da apólice do seguro – de todos da sua família ou do grupo – à mão. Digo isso pois muitas pessoas contratam o seguro e acabam deixando a apólice no hotel junto com os passaportes e documentos de viagem. Mas, e se você precisar usá-lo na rua, de repente?

* Se o seu seguro der uma carteirinha coloque-a na carteira. No caso de uma apólice em papel é possível apenas anotar o número de emergência (1800) e o número da apólice.

Relembrando: passaportes e vistos válidos, passagens compradas, hotel confirmado, carro alugado e seguro viagem contratado… É chegada a hora mais desejada e animada, a de selecionar a diversão e construir o roteiro dos sonhos!!!

Categorias:Walt Disney World

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s