França

Vale do Loire – França

O que seria de uma viagem para França sem uma escapada de Paris para uma viagem de 3 a 4 dias à zona rural? O Viagem em Família recomenda muito uma pausa na agitação da cidade para descobrir os magníficos castelos do Vale do Loire (Vallée de la Loire). As crianças ficam deslumbradas com os imensos castelos e por tanta beleza envolvida! Vale muito você programar esses dias no Vale do Loire!  E ainda tem mais: poder dormir nos anexos dos próprios castelos, não é fantástico? Que tal parece?

O Vale do Loire é uma região grande da França, que atinge cerca de 280km de extensão ao longo do rio Loire. Várias cidades compõem a região e cada uma tem suas características específicas. Quando estiver programando a sua visita à França dedique pelo menos uns 3 dias à essa maravilhosa região! Você não vai se arrepender, além de conhecer os famosos castelos, você terá a oportunidade de conhecer as cidades – lindas!!!

A “porta de entrada” da região é a cidade de Orléans, que fica próxima de châteaux como Sully-sur-Loire e Chamerolles. Em seguida, seguindo o fluxo do rio Loire, Blois e Amboise são cidades charmosas e muito bem localizadas. Ambas ficam próximas de vários castelos e são ótimas opções de cidades para se ter como base. Elas ficam próximas de châteaux como Chambord, Cheverny, e dos châteaux reais de Blois e Amboise.

Tours, a próxima cidade do Vale do Loire, é considerada a “capital” da região. Além de ficar na área central, tem ótima estrutura e é ideal para firmar uma base de hospedagem. Tours tem restaurantes, lojas, agências turísticas e está próxima de châteaux como Villandry e Azay-le-Rideau.

Saumur, um lugar pequeno, é ideal para quem busca tranquilidade e quer conhecer o château que leva o mesmo nome da cidade, e Angers que é conhecida por sua produção de flores está próxima de châteaux como Serrant e Angers.

A “última” cidade do Loire é Nantes, que não é tão bem localizada quanto Tours, Blois e Ambuise. Ela é uma das maiores cidades da França e tem ótima estrutura: um aeroporto e uma boa estação de trem, localizada na área central da cidade. Visitando a cidade, não deixe de ir ao châteaux dos Duques da Bretanha.

Voltando ao início do texto, o Vale do Loire está literalmente situado entre castelos renascentistas – verdadeiras fortalezas que remetem ao século IX – e brilham, como em um sonho! A palavra francesa “château” pode ser traduzida tanto por castelo, quanto por palácio. Na verdade são castelos e palácios ao mesmo tempo. E não só isso: são monumentos, também. Ou mais: elementos indissociáveis da paisagem. Em muitos deles, para delírio de milhões de turistas que visitam a região todo ano, é possível se hospedar sem gastar uma fortuna. Patrimônio da Humanidade pela Unesco desde 2000, o Vale do Loire é ideal para se visitar de carro, por sua grande oferta de atrativos e por estar a apenas 200 quilômetros de Paris. 

– Há quem visite o Vale do Loire em tours de um dia saindo de Paris porém, o encanto da região só é revelado por inteiro a quem se dispuser a passar duas ou três noites por ali.

São muitos os palácios que valem a pena você visitar, tanto por seu valor histórico como por sua beleza. Mas visite no máximo dois a três châteaux por dia; entre um e outro, entregue-se às estradas vicinais, seguindo placas que levam a castelos menores e desimportantes, situados em cantinhos incríveis – de fazer chorar por tanta beleza! Você vai se lembrar dessas descobertas como os pontos altos dos seus dias por lá!!!

Cada um dos châteaux tem um atrativo diferente: alguns se destacam mais pelos jardins do que pela aparência do edifício em si; outros chamam a atenção pela construção imponente ou pela quantidade de cômodos; outros, pela localização, ou pelo interior do edifício, ou pela história, pela riqueza de detalhes… enfim, há inúmeros castelos e cada um deles tem suas peculiaridades. Como são muitos châteaux (diz-se que são mais de 300), é preciso fazer uma seleção de quais conhecer, de acordo com seus interesses. A dica é pesquisar antes de planejar o roteiro!

Quem realmente não tem tempo para pernoitar deve visitar alguns châteaux entre os mais badalados: Chambord, Chenoceau, Amboise, Bois e Villandry – mas tenha certeza que será corrido, sem nenhuma riqueza de detalhes! 

Château de Chambord está localizado em Chambord, Loir-et-Cher, França. Foi construído para servir de pavilhão de caça para o rei François I, é o maior e mais grandioso castelo. Amboise traz reminiscências sobre os últimos anos de vida do gênio italiano Leonardo da Vinci, que passou seus últimos anos no palacete de Clos Lucé. O Castelo de Villandry possui um dos mais celebrados jardins renascentistas do Vale do Loire, enquanto que Chenonceau, construído qual uma ponte sobre o rio Cher e igualmente contando com um bem cuidado jardim, foi construído sob as ordens de Catarina de Médicis e Diana de Poitiers, respectivamente rainha e amante do rei Henrique II. Tours não possui castelo, mas é conhecida por seu museus e restaurantes, Blois é uma alegoria arquitetônica e Orléans é a cidade da santa-guerreira Joana d’Arc. Outros castelos que valem a visita são os de Saumur, Angers, Azay-le-Rideau, Cheverny e Chinon.

Para quem estiver com planos de percorrer o Vale do Loire em 3 a 4 dias recomendo esse roteiro:

–> Paris – Orléans – 1h30 – 133 Km

–> Orléans – Château du Chambord – 49 minutos – 55 Km

–> O Château de Chambord foi erguido para satisfazer os caprichos do rei François I, e além de possuir uma arquitetura impecável, tipicamente renascentista, possuía, na época, uma localização privilegiada, para a caça, uma das paixões do monarca. Ele combina as formas medievais francesas tradicionais com as estruturas clássicas italianas. É deslumbrante e impressionante!

A parte mais interessante do interior é sem dúvida a escadaria de dupla hélice que fica bem no centro do prédio principal e leva aos outros andares. São como duas escadas em espiral entrelaçadas de modo que se uma pessoa descer e outra subir, cada uma por uma das escadas, elas não se encontram no caminho. A engenhosidade dessa escada é atribuída a ninguém menos que o próprio Leonardo da Vinci, que a teria projetado por encomenda de François I. Dentro do castelo, os aposentos de François e de Luís XIV permanecem intactos. O castelo supreende por ter um telhado cheio de torres e chaminés; vale a pena conhecer o terraço do castelo e o visual incrível que se tem lá de cima! A capela do castelo foi iniciada por François I, mas só foi terminada no reinado de Luis XIV. É o maior cômodo do castelo.

O imenso Parc de Chambord, no qual a nobreza se divertia, com 5,4 mil hectares e cercado por muro de mais de 30 quilômetros, continua lá, bem cuidado e com direito a lago e ciclovia.

O Château de Chambord está a 180 km de Paris, 18 km da cidade de Blois ( parada do trem que vem de Paris e de onde saem os ônibus rumo ao castelo), 18 km do Château de Cheverny,  52 km de Amboise, 59 km do Château Chenonceau, 80 km de Tours e 104 km de Villandry.

O Château de Chambord abre o ano inteiro, com exceção dos dias 1º de janeiro e 25 de dezembro. De maio a setembro recebe visitantes das 9h às 18h; nos outros meses, das 10h às 17h. A entrada custa € 9, e é grátis para menores de 18 anos acompanhados por familiares.

– Bem ao lado do castelo, há uma espécie de vila cheia de restaurantes e cafés.

image

Parc de Chambord – Vale do Loire

IMG_0431

Château de Chambord – Vale do Loire

IMG_0433

Château de Chambord – Vale do Loire

image

Château de Chambord – Vale do Loire

image

Château de Chambord – Vale do Loire

image

Château de Chambord – Vale do Loire

–> Château de Cheverny – está a 23 minutos (18km) do Château de Chambord, sua construção em estilo clássico de Luís XIII do começo do século XVII. Ao contrário do que aconteceu na trajetória da maioria dos castelos medievais europeus, esse esteve sempre nas mãos da mesma família, os Hurault, que aliás já possuía terras na região 200 anos antes do início das obras. Entre os seus aposentos, destacam-se um certo Quarto do Rei, ainda que nenhum monarca tenha passado por lá, e a sala de jantar, decorada por doze painéis que contam a história de Dom Quixote. Para os fãs de quadrinhos, uma curiosidade: Marlinspike Hall, a casa de campo do capitão Haddock, da série Tintin, foi inspirado no castelo de Cheverny.

SONY DSC

Château de Cheverny

Chateau de Cheverny (vue aerienne)

Château de Cheverny

* A dica é pernoitar em Blois (está a 15 km do Château Cheverny) – existem algumas opções de hospedagem, você deve escolher de acordo com a sua preferência! Uma boa dica de restaurante com ótima comida francesa é o Le Bistrot du Cuisinier. Se você procura uma refeição informal e quer gastar pouco, a Patapain é uma das boas opções em Blois – é uma rede francesa que vende sanduíches, pães, doces e salgados, além de outros quitutes populares no país. É um bom lugar para conhecer a “comida rápida” francesa, fazer um lanche ou uma refeição leve. Os preços são bons e o atendimento excelente.

– Quem não fala francês provavelmente enfrentará um pouco de dificuldade ao tentar decifrar os pratos dos cardápios. A maioria dos restaurantes não têm menu em outras línguas, então nossa sugestão é que você use um tradutor no celular para acertar no pedido.

IMG_0507

Blois

image

Blois

–> Ao amanhecer vá conhecer o Château Real de Blois considerado um dos mais importantes do Loire. Ele foi a residência de vários reis e rainhas e exemplifica um pouco das mudanças arquitetônicas ocorridas ao longo do tempo no Loire, já que foi construído entre os séculos XIII e XVII e mistura diferentes estilos. Sua área interna é cheia de detalhes e lá você poderá conhecer os aposentos da realeza francesa. Considerado um museu importante da França, esse castelo tem mais de 35 mil peças – um prato cheio para quem ama história e objetos antigos. Um dos destaques do lugar é sua escadaria em espiral, além do quarto da rainha e do quarto do rei. O interessante é que o castelo fica no meio do burburinho da cidade de Blois; portanto, o acesso a ele é facilitado.

image69-e1429913030599

Patapain – Blois

image

Château Real de Blois

image

Château Real de Blois

IMG_0394

Blois

IMG_0413

Blois

IMG_0406

Blois

IMG_0399

Blois

IMG_0404

Blois

–> Depois dessa visita a dica é colocar o carro na estrada e seguir o caminho para Château D’Amboise – (35 km – 31 minutos). De Blois até Amboise a estrada vai margeando o rio Loire compondo um belo visual!

–> Amboise é uma encantadora cidade com marcos importantes do Renascimento. Ainda estão lá, intactos, não só o Clos-Lucé, palacete onde viveu Da Vinci, mas também outros edifícios históricos como a Torre do Relógio e o cartão-postal local definitivo, o Châteu d’Amboise. Erguido entre os séculos XV e XVI com vista para o Rio Loire, o castelo foi a moradia de reis como François I, que convidou Leonardo da Vinci para morar na cidade. Um fato curioso a respeito do château é que nele está sepultado Leonardo da Vinci, que passou seus últimos anos vivendo na França. O castelo possui uma bela amurada de onde se vislumbra a cidade, além de vários aposentos decorados.

image

Amboise

image

Amboise

image

Amboise

image

Amboise

IMG_0502

Château d’Amboise

conacul-clos-luce1

Château d’Amboise

f4620b08c2eeb4cf7addfb5d7528f39e

Château d’Amboise

image

Château d’Amboise

–> O Château De Clos Lucé em Amboise, no Vale do Loire, está ligado intimamente à vida de um dos maiores gênios da história da humanidade, o renascentista Leonardo da Vinci. Apesar de boa parte de sua trajetória ter se passado entre Milão e Roma, ele foi à França, a convite do rei François I. Aqui ele se tornaria uma espécie de consultor para assuntos aleatórios. Seus pitacos seguiam em todas as direções: engenharia, arquitetura, sistemas de irrigação, projetos bélicos e, claro, artes plásticas.

O soberano instalou da Vinci no palacete Château de Clos Lucé, nas imediações do Castelo de Amboise, em 1516. Aqui ele passaria os anos finais de sua vida, até sua morte, em 1519. A mansão abriga uma série de documentos relacionados aos seus trabalhos, pinturas de seus pupilos e alguns cômodos bem interessantes.

No entorno do Château está o Parque Leonardo da Vinci, grátis e aberto permanentemente ao público. Se bater a fome, uma boa pedida é almoçar em um dos restaurantes do château.

Le_Château_du_Clos_Lucé

Château De Clos Lucé

Clos_luce_04

Château De Clos Lucé

–> De Amboise para o Château de Chenonceau são menos de 15 km. O castelo fica ao sul de Amboise, à beira, ou melhor, em cima do rio Cher, um afluente do Loire.

–> Château de Chenonceau – é difícil superar um castelo que parece estar emergindo do fundo do rio, refletindo sua própria imagem nas águas. O Château de Chenonceau, construído em 1513, é apoiado sobre um sistema de pilares no meio do Rio Cher e acessado via ponte, o que torna o passeio ainda mais digno de livros de contos. E não fica por isso: o castelo tem deslumbrantes jardins, cada qual a um lado do edifício e criado por uma das mulheres da vida do rei Henrique II. Quem cuidava da ala oeste era a rainha e esposa Caterina de Médici, enquanto a ala leste tinha o dedo da amante Diane de Poitiers. Ambos, é claro, são perfeitinhos, com suas cercas-vivas aparadas milimetricamente e pequenas trilhas.

Pela presença das rivais e por ter sido projetado por Catherine Briçonett, esse é conhecido como o “castelo das damas”. Tintoretto e Rubens estão entre os artistas cujos quadros figuram nas paredes de seus salões.

Dentro da propriedade do castelo de Chenonceau há uma ampla área para piquenique e alguns bons restaurantes. O Orangerie serve alguns bons pratos e funciona de março a novembro, assim como a lanchonete. A casa de chá funciona o ano todo, das 15 às 17 horas.

* Outra boa dica é desfrutar de um delicioso almoço no Château dos Vinhedos Nitray (está a 19 minutos do Château de Chenonceau, em direção à cidade de Tours), um almoço caseiro com ingredientes frescos locais da região e os melhores vinhos, incluindo um intenso Sauvignon Blanc e um tinto Cabernet Rouge de corpo.

Chateau_de_Chenonceau_2008E

Château de Chenonceau

Chateau_de_Chenonceau.

Château de Chenonceau

Chenonceau-20050320

Château de Chenonceau

image

Château de Chenonceau

–> Depois de um dia de encantamento você tem duas opções: dorme em Chenonceaux/Amboise ou segue para dormir em Tours.

* Uma dica em Amboise é pernoitar em Château des Arpentis – mas você deve reservá-lo com antecedência. E a outra é o Hôtel Le Choiseul, localizado bem na avenida que beira o rio. O lugar é requintado, com jardins bem cuidados, esculturas e fontes. E quanto ao restaurante – L36 – muito bem recomendado.

* Em Tours uma exçelente opção de restaurante é o Les Saveurs, com comida francesa de qualidade e atendimento superatencioso! Se você for fã de massa a dica é o Léonard de Vinci, um restaurante de comida italiana que tem uma entrada com petiscos variados que é uma delícia!

–> E no dia seguinte à programação começa com o Château de Villandry – é difícil decidir para onde olhar. Em princípio não dá para tirar a vista do château de Villandry, o último dos grandes castelos a serem levantados no Vale do Loire durante o Renascimento (data de 1536). Mas, uma vez que a mente se acostume com a elegância do edifício, a atenção se volta automaticamente para o incrível jardim elaborado pelo espanhol Joachim Carvallo já no século 20. O conjunto paisagístico é formado por diferentes módulos, cada qual arranjado em complexos desenhos em que as plantas moldam diferentes labirintos. Branquíssimos no inverno e verdes nas estações mais quentes, esses graciosos ziguezagues naturais interagem à perfeição com as diversas fontes do espaço, sejam as quadradas ou a em forma de estrela. O local tem seis jardins grandes e é excelente para quem gosta de natureza e passeios ao ar livre. 

Aqui fica o famoso labirinto verde feito de sebes, mas ainda há curiosos arranjos ornamentais feitos de legumes e verduras, além de uma profusão de flores. Dividido em três patamares, o jardim mais alto cerca um grande tanque d’água que forma um canal pela propriedade.

* Villandry tem um restaurante com mesas ao ar livre e você pode almoçar e curtir o seu ambiente agradável. É recomendado fazer a reserva!

chateau-villandry

Château de Villandry

IMG_0566

Château de Villandry

IMG_0568

Château de Villandry

IMG_0567

Château de Villandry

IMG_0553

Château de Villandry

IMG_0558

Château de Villandry

IMG_0549

Château de Villandry

IMG_0544

Château de Villandry

IMG_0541

Château de Villandry

IMG_0564

Château de Villandry

IMG_0536

Château de Villandry

IMG_0542

Château de Villandry

IMG_0528

Château de Villandry

–> Bem perto (11 km) está o Château de Azay-Le-Rideau. Dos muitos castelos do Vale do Loire, o Château de Azay-le-Rideau destaca-se como sendo um dos mais belos. Muito mais que uma fortaleza, sua torretas têm funções meramente decorativas, dando um certo ar romântico à ilhota entre dois braços do rio Indre. O bosque do entorno, entremeado por canais, reforçam ainda mais o ar de magia que Balzac descreveu como sendo um “diamante multifacetado às margens do Indre”.

Construído a partir do século XVI pelo abonado financista Gilles Berthelot, foi confiscado pelo intempestivo rei François I. A propriedade real passaria por várias fases de ampliação e reforma, até ser finalmente finalizado no século XIX.

Na parte interna, apesar do luxo de certos cômodos, a atmosfera é basicamente doméstica, com destaque para a enorme cozinha, equipadas com grandes lareiras de pedra.

KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

Château de Azay-Le-Rideau

image

Château de Azay-Le-Rideau

–> Continuando o passeio, mas já em seu trecho final,  você deve seguir para Chinon (23 km – 21 minutos) e Saumur (34 km – 35 minutos) respectivamente. A Fortaleza Real de Chinon está localizada no alto da cidade de Chinon. Ela começou a ser construída no século X e foi palco do encontro de Joana D’arc com o futuro rei Carlos VII, no ano de 1429, durante a Guerra dos Cem Anos. O encontro de Joana com o futuro rei foi de grande importância para que ele se convencesse de sua filiação e tomasse seu posto como Rei de Reims. Atualmente, uma parte da fortaleza está em ruínas, mas há áreas (como a torre) que continuam preservadas. Se puder visitar a fortaleza em um dia de tempo aberto será melhor, pois esse château tem uma bela vista para a cidade de Chinon.

image

Château de Chinon

–> O Château de Saumur está localizado na cidade de Saumur, no Vale do Loire. Sua construção teve início no século XI e, ao longo de sua história, ele já foi usado como fortaleza, devido à sua localização estratégica, à residência e ao depósito. Depois de adquirido pelo Estado, em 1906, tornou-se um museu. Além da arquitetura, há no Castelo de Saumur um espetáculo de luzes e sons durante o verão que pode ser interessante de assistir.

image

Château de Saumur

–> Fechando mais um dia, você deve dormir em Saumur e seguir o seu próximo roteiro no dia seguinte, com a certeza que esses poucos dias em Vale do Loire jamais serão esquecidos…

–> Em seu passeio pelo Vale do Loire aproveite o melhor da gastronomia que a França oferece pelo caminho. O Vale do Loire possui vinhos leves e frescos e também uma grande variedade de frutas e verduras, aspargos, framboesas, morangos e cogumelos – tudo fresco e de excelente qualidade!

–> Para chegar ao Vale do Loire, partindo de Paris, uma boa opção são os trens, que ligam Paris a Angers, Tours e Blois. Há também uma série de operadoras que fazem excursões passando pelos principais castelos e cidades da região. No entanto, o melhor mesmo é alugar um carro e fazer o seu próprio roteiro, sem paradas apressadas.

* Não há roteiro básico pré-definido, pois o passeio é um longo e prazeroso zigue-zague. Alguns turistas sem tempo fazem uma viagem rápida de um dia, a partir de Paris, passando por Chambord, Amboise e Villandry, mais ou menos ao longo da autoestrada A10 (ou a D952), fazendo um pequeno desvio pela A85 até Chenonceaux. Porém com um pouco mais de tempo e passando duas a três noite em Blois, Chenonceaux ou Amboise e Tours, os passeios têm uma cadência mais lenta e incluem paradas em Azay-le-Rideau, Chinon, Saumur – é uma opção melhor! Esse lugar tem muito mais a oferecer do que simplesmente um passeio de um dia. Planeje-se para ficar ao menos duas ou três noites e, assim, conhecer os principais castelos. Caso tenha mais tempo disponível, quatro, cinco ou mais noites são indicadas para visitar os castelos com calma e sair do programa básico, podendo explorar lugares menos turísticos. Essa é a grande dica do Viagem em Família e a sua, tenho certeza, vai amar!

–> A melhor época para visitar o Vale do Loire é entre março e outubro, quando a região está particularmente bela e movimentada, com muitos eventos culturais e com a flora em constante mutação. O inverno é mais calmo, mas muitas atrações têm horários limitados ou nem mesmo abrem.

–> Continuando o tour pelo interior da França a próxima parada será no Mont St.-Michel com escala em Nantes, lembra? Nantes – a última cidade do Vale do Loire.

2 respostas »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s