Museu do Futebol (SP)

image

O Museu do Futebol fica no Estádio do Pacaembu. Para quem não sabe o acervo do museu é organizado entre a parte interna das arquibancadas e o chão e é por isso que em dia de jogo o museu tem horário de funcionamento alterado (quem aguentaria ficar embaixo de tanta gente pulando e gritando?).

image

image

image

Os visitantes do Museu do Futebol podem caminhar pelo percurso do torcedor, que é composto por várias etapas. Cada sala mistura os elementos históricos e emotivos do futebol com diversão garantida!

Logo na entrada, um grande hall batizado como Grande Área acolhe o público numa espécie de sala de visitas do futebol brasileiro, com reproduções ampliadas de diversos objetos que materializam a paixão do brasileiro pelo esporte: flâmulas, bandeiras, jogo de botão, cartazes, chaveiros e sem-número de apetrechos e adereços.

image

image

image

No Museu do Futebol, você é saudado por ninguém menos do que o Rei Pelé! Ele lhe dá as boas vindas em português, inglês e espanhol.

image

image

Visitar o Museu do Futebol é literalmente entrar em seu universo, a sala Pé na Bola apresenta ao torcedor-visitante, imagens de pés batendo bola num local onde o pé é o método, a arma e a diferença. A instalação, dividida em 5 telas, indica de uma forma lúdica o caminho que o visitante irá percorrer.

image

A terceira sala (Anjos Barrocos) da exposição de longa duração apresenta projeções de 25 jogadores que fizeram história no futebol brasileiro, em 11 telas suspensas ao ar. As projeções foram compostas a partir de 44 fotografias dos jogadores, em movimentos realizados durante o jogo. Foi dado todo um tratamento as fotos o que criou um ambiente em que o jogador é “santificado”, tal como as representações de anjos no movimento artístico conhecido como Barroco, marcado, entre outras coisas, pelo rebuscamento das formas. A beleza e sinuosidade dos movimentos de cada jogador em ação remetem a isso. Daí o nome da sala Anjos Barrocos.

image

image

image

Sala dos Gols. Dos 26 depoimentos, 9 narram gols marcados em Copas do Mundo, na seguinte frequência: 1950 (1), 1958 (3), 1970 (3), 1982 (1) e 1994 (1). São Paulo é o estado mais representado. São 5 times representados em 8 depoimentos – Corinthians (3), São Paulo, Santos, Portuguesa, Palmeiras (2). Em seguida, estão os 5 times cariocas – Botafogo, Flamengo, Fluminense, Vasco da Gama e América, totalizando 6 depoimentos, sendo 2 do Flamengo. Por fim, há 2 depoimentos de times gaúchos: Grêmio e Internacional e 1 de um time mineiro. O último depoimento reúne diversas jogadas de Garrincha, tanto pelo Botafogo quanto pela Seleção Brasileira.

Esta sala está localizada próxima a Sala dos Rádios e dos Anjos Barrocos. Em uma estrutura de ferro há 10 cabines onde são projetados 26 vídeos (2 foram acrescidos no final de 2009: Milton Neves e Roberto Avallone). O visitante pode escolher a qual dos vídeos assistir a partir de uma tela de navegação que oferece como opções a escolha por narrador e por jogada. A duração total dos vídeos é 42’58’’. Cada narrador conta qual foi o gol que mais marcou a sua vida. Essa narração foi gravada exclusivamente para o Museu e possui cenário e tratamento de imagem padronizados. O depoimento é editado com imagens (vídeos e/ou fotografias) dos gols narrados.

image

image

A Sala dos Rádios apresenta narrações de 15 locutores (Antonio Cordeiro, Armando Pamplona, Ary Barroso, Edson Leite, Fiori Gigliotti, Gagliano Netto, Geraldo José de Almeida, Jorge Cury, José Carlos Araújo, José Silvério, Oduvaldo Cozzi, Osmar Santos, Pedro Luiz e Rebello Júnior) que marcaram suas épocas, entre 1934 e 2006. A estrutura é marcada pela interação do público que pode escolher as locuções por meio de um dial. As locuções são ilustradas com computação gráfica e fotos, permitindo que o visitante acompanhe o áudio junto a uma tela com a transcrição do texto. Se você é apaixonado pelas narrações radiofônicas, não deixe de vir ao Museu.

image

Exaltar é tornar alto, sublime, erguer, elevar e celebrar. Nesta sala, o Museu do Futebol celebra cada torcedor!
Nas entranhas da arquibancada, permeando suas estruturas de sustentação, o visitante se sente, efetivamente, no meio de uma torcida de futebol. São mais de 30 cantos e gritos de incentivo que se completam com imagens de cenas emocionantes das mais famosas torcidas de clubes de futebol do país.
Numa experiência coletiva, esse momento especial da visita une os sentimentos do torcedor e faz desatar e fluir sua paixão pelo clube adorado.

image

Origens – Aqui se narra uma história que começa com Charles Miller, no final do século XIX, e vai até os primórdios da profissionalização do futebol e da aceitação de atletas negros, a partir dos anos 1920.
A saga do nosso futebol é exaltada como uma das raras conquistas do povo brasileiro, e contada através de mais de 400 fotografias, que entrelaçam estórias e momentos de formação de clubes, seleção de jogadores, além de roupas, acessórios e cenas do cotidiano do final do século XIX até 1930.

image

image

image
image

image

Heróis – Nas décadas de 1930 e 1940, o Brasil volta-se para si mesmo, buscando uma identidade cultural e social própria. Poetas, pintores, músicos, pensadores e, por que não, nossos jogadores, contribuíram para a construção dessa identidade: um Brasil mestiço, criativo, alegre, que, embora desigual, apresentava potencial para se tornar uma grande nação.

O compositor e maestro Heitor Villa-Lobos; o poeta Carlos Drummond de Andrade; Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda, grandes pensadores das nossas origens; o escritor Mário de Andrade; o compositor e radialista Ary Barroso; o educador Anísio Teixeira; a musa Carmen Miranda; o pintor Cândido Portinari; e, claro, Leônidas da Silva e Domingos da Guia, entre muitos outros, são alguns dos heróis que representam a nossa identidade. E o futebol aparece como um dos principais fenômenos culturais do Brasil.

image

Rito de Passagem – Nessa sala, nos deparamos com um dos momentos mais trágicos e silenciosos que já houve no país nas últimas décadas. Uma preparação acústica de alta tecnologia cria um clima angustiante, que faz com que o visitante ouça as batidas de um coração apertado…
A fatídica derrota da seleção brasileira para o Uruguai, no final da Copa de 1950 no Maracanã, é trazida para a exposição tal como um rito de passagem.

image

image

image

Copas do Mundo – O Brasil é o único país que participou de todas as Copas realizadas até hoje. E o único também a ganhá-la por cinco vezes.
Detalhes dessas conquistas (e também das derrotas), bem como o pano de fundo do contexto político, social, econômico e cultural em que cada uma aconteceu, estão representados nesse espaço, em que presidentes, misses, artistas, ditadores da moda, torcedores anônimos e gênios da bola são personagens da mesma história e dividem espaço com as glórias da seleção canarinho.

image

image

image

image

image

Pelé e Garrincha – A dupla invencível em campo foi diferente em quase tudo – do estilo de jogo à personalidade. Num mundo onde qualquer ídolo é contestável, sobretudo no futebol, os deuses conferiram a graça da unanimidade a ambos.
Pelé e Garrincha igualam-se como artistas da bola reverenciados em todo o planeta.

image

image

image

Passarela Radialista Pedro Luis – A instalação da passarela possibilitou unir as duas metades do Percurso do Torcedor. É aqui que o visitante percebe o real tamanho das aberturas redondas da fachada, vê a praça e é visto por quem está do lado de fora. Um momento para apreciar a Praça Charles Miller e o bairro do Pacaembu.
O nome da passarela foi uma homenagem a Pedro Luiz Paoliello (1919-1998), radialista que esteve presente em vários momentos importantes da história do futebol brasileiro, como narrador e comentarista. Pedro fez muito sucesso em suas passagens pelas rádios Bandeirantes e Tupi, além de ter estado nas rádios Nacional (atual Globo) e Gazeta.

image

image

Números e Curiosidades – essa sala apresenta um trajeto polêmico entre números, táticas, datas, história e superstições, formando um verdadeiro labirinto de curiosidades. Um almanaque para ver, sentir, participar e discutir com amigos e familiares. Aqui, o intuito é se divertir, afinal, futebol é número: de gols, de regras, de recordes, de pontos e de títulos.

image

image

image

image

image

image

image

image

Visitar a Arquibancada – Depois de ficar sabendo tudo sobre a história do futebol no Brasil, o visitante tem a oportunidade de pisar em um dos palcos sagrados do futebol brasileiro: o Estádio Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu. Na Visita à Arquibancada, você poderá ter uma visão privilegiada deste que é um dos cenários mais bonitos da capital paulista.

image

image

image

Dança do Futebol – Esse é o lugar certo para o torcedor-visitante ver e rever alguns dos gestos e movimentos que fazem do futebol um espetáculo visualmente deslumbrante.
Por trás da emoção de um gol, da malícia de um drible, do arrojo de uma defesa, da luta por uma bola dividida, a coreografia do futebol é tão plástica quanto imprevisível, chegando a lembrar, em alguns momentos, uma orquestra regida por maestros-treinadores.

Jogos de Corpo – Gramados projetados no chão e habilidades à prova: batendo um pênalti e descobrindo a velocidade de seu chute.

image